Na era do conhecimento, a Bio Magistral se une com a Universidade de Passo Fundo (UPF) para aproximar inovação e conhecimento cientifico em projetos que trarão mais qualidade de vida a seus clientes. Confira a matéria!

O início de tudo

                Visando uma posição de destaque no mercado de colchões, a Bio Magistral procurou diferenciar seus produtos com uma tecnologia inovadora. Iniciaram, então, as buscas pelo item que traria benefícios não só para a empresa, mas também para o cliente que viria a dormir todas as noites em um colchão de qualidade Bio Magistral.

Turmalina: a pedra elétrica

                Após uma extensiva pesquisa histórica, chegamos na pedra conhecida como turmalina negra. A primeira espécie foi encontrada no Sri Lanka, por volta de 1700; seus efeitos foram estudados nas próximas décadas, e descobriu-se que a turmalina apresentava propriedades enérgicas quando aquecida pelo sol, sendo capaz de atrair e repelir objetos leves.

Estudos realizados primeiro em 1880, por Pierre Curie, e em 1986, realizado pelo físico japonês Dr. Tetsujiro Kubo, confirmaram que a pedra possui uma energia estática e raios infravermelhos emitindo em média 9 micrômetros.

Todos esses atributos tornaram a turmalina negra a candidata perfeita para ser utilizada nos produtos Bio Magistral.

Parceria de ouro: UPF e Bio Magistral

Com um grande objetivo em mãos, procuramos um parceiro que nos ajudasse a atingir o nobre objetivo de levar mais qualidade de sono para as pessoas. Foi então que, ao entrar em contato com a UPF, recebemos uma resposta positiva: Encontramos uma equipe disposta a realizar estudos colaborativos através da Agência de Inovação Tecnológica da UPF.

A partir de agora, a empresa e a universidade conjugam esforços para pesquisas que visam tirar ideias do papel. O primeiro estudo terá a interação com diferentes laboratórios da UPF como: laboratórios do Curso de Química, do Centro Tecnológico de Pedras, Gemas e Joias – CTPedras e laboratórios ligados ao UPF Parque.

Leave a Reply